"As terríveis conseqüências do pensamento negativo são percebidas muito tarde." Paulo Freire

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Qual o efeito da crise Americana para o povo Brasileiro?


Circula na internet, um e-mail/piada que resume a crise dos bancos americanos com uma historinha simples, vale a pena ler. É mais ou menos assim:

“O seu ‘Bill’ tem um bar, na Vila Reco-Reco, e decide que vai vender cachaça 'fiado' aos seus leais fregueses, todos bêbados e a maioria desempregada.

Pelo fato de decidir vender a crédito (fiado), ele pode aumentar um pouquinho o preço da dose da branquinha (a diferença é o ‘sobrepreço’ que os pinguços pagam pelo crédito).

O gerente do banco do seu Bill, um ousado administrador formado em curso de MBA, decide que as cadernetas das dívidas do bar constituem, afinal, um ativo ‘recebível’, e começa a adiantar dinheiro ao estabelecimento tendo o ‘pindura’ dos pinguços como garantia.

Alguns ‘executivos’ de bancos, mais adiante, lastreiam os tais recebíveis do banco, e os transformam em CDB, CDO, CCD, UTI, OVNI, SOS ou qualquer outro acrônimo financeiro que ninguém sabe exatamente o que quer dizer.

Esses tradicionais instrumentos financeiros, ‘alavancam’ o mercado de capitais e conduzem a que se façam operações estruturadas de derivativos, na BM&F, cujo lastro inicial todo mundo desconhece (as tais cadernetas do seu Bill).

Esses derivativos estão sendo negociados como se fossem títulos sérios, com fortes garantias reais, nos mercados de 73 países.

Até que alguém descobre que os ‘bebúns’ da Vila Reco-Reco não têm dinheiro para pagar as contas, e o Bar do seu Bill vai à falência junto com toda a cadeia ‘financeira’ originada no começo da história”.

Pois bem, e a pergunta seguinte é: Qual o efeito da crise Americana para o povo Brasileiro?

Resposta: Quase nenhuma.

O país vive um momento econômico confortável, com elevada reserva cambial, bancos sólidos, mercado financeiro estruturado. As sucessivas quedas da Bolsa de Valores de São Paulo têm outra explicação. Muitos investidores financeiros que aplicam em mercados emergentes, como por exemplos, o Brasil, China, Rússia e Índia, precisam tirar suas aplicações desses países para honrar suas contas nos mercados que possuem operações vinculadas aos bancos europeus e americanos, que por sua vez, financiarão o sub-prime americano.

Portando as quedas da Bolsa de Valores de São Paulo são geradas pela venda de ações dos investidores estrangeiros. Como os investidores precisam transformar o Real obtido pelas vendas das ações em Dólar, o preço da moeda Norte-Americana tende a subir por causa de sua maior procura.

Para a nossa economia, o setor que está sendo afetado é o Crédito. Os bancos menores, que não operam no varejo, começam a ter menos recursos para ofertar em linhas de crédito. Esse fato ocorre devido os mesmos investidores estrangeiros cortarem suas linhas de crédito para esses bancos, e conseqüentemente esses bancos também não repassam os valores para as linhas de crédito internas.

Vale lembrar, que as linhas de crédito são ofertadas para as pessoas físicas, para as empresas que utilizam para ampliar a produção, ou até mesmo para a rede de lojas no varejo que podem ofertar mais produtos.

Mas essa situação está sendo contornada pelo Banco Central, que mudou algumas regras para o setor bancário, como a redução da exigibilidade do depósito compulsório para os bancos, desde que os mesmos utilizem esses recursos para comprar as carteiras de crédito dos bancos menores, diminuindo assim a exposição desses bancos ao risco de não receber os valores de suas carteiras, protegendo o setor.

Jovens Economistas, o detalhe é, o Brasil está em um momento único em sua história, onde uma crise americana de grandes proporções mundiais, nos parece apenas como mais uma notícia de jornal. O importante é perceber o desenrolar dessa crise.

5 comentários:

Anônimo disse...

Cleber,

A situacao nao é tao confortavel assim. Concordo com sua analise, mas a situacao é mais complicada no "chao de fabrica". O afrouxamento no recolhimento de compulsorios nao surtiu o menor efeito. As grandes instituicoes que, na realidade sao as que tem grandes volumes de compulsorios, estao recolhendo muito mais compulsorio do que o minimo definido, buscando liquidez imediata e seguranca no Banco Central. As pequenas financeiras que atendem lojistas pequenos (lojas que vendem menos de 30.000,00/mes) nao estao conseguindo negociar suas carteiras. Como essas instituicoes nao tem como captar diretamente no mercado, praticamente as unicas opcoes sao cessoes de credito e FIDC. As duas fontes de recursos estao fechadas.
Assim, como as Financeiras pequenas nao tem como captar, os lojistas nao tem como vender. E esses lojistas nao tem capital para aguentar um mes sem vendas. Essa situacao é realidade no interior do Pais, e pode ter certeza de que é um grande volume de lojas e pessoas ja estao sem acesso a crédito nesse momento.

Anônimo disse...

Continuando meu comentario, ainda terá a ressaca da crise. Como os bancos estavam tao alavancados como ja foi vastamente divulgado, como será feita a desaceleração disso? Os bancos, para mudar de patamar, nesse caso para menor, têm que ter um tempo. Se nao estao fazendo operacoes, no futuro nao terao receitas para honrar compromissos ja assumidos. Como esses bancos sobreviveram muito tempo antecipando receitas atraves da securitização e os prazos dessas operacoes sao longas, muitos deles provavelmente estao descasados entre a captacao e o financiamento. Como essas captacoes provavelmente vencem antes do retorno dos financiamentos, acredito que ainda tem muita agua para passar por baixo dessa ponte. E isso, se perdurando por um bom tempo, vai afetar muito o Brasil, pois o credito ficara caro por um longo tempo. Como aumentamos muito nossas despesas correntes nos ultimos anos, vamos ficar nessa espiral de juros alto. E ainda sem contar uma recessao nos EUA, Europa e Japao que ainda pode vir. A China nao segura essa onda sozinha.
Nao sou pessimista mas o que temos pela frente ainda é muito complicado.


Ricardo - UAM

Anônimo disse...

Camarada Cleber,

Parabéns...sucesso!
Tô gostando de ver os resultados de sua participação.
O Krugman ganhou o Nobel de Economia!

Amplexos,
rbs

Daniel Simões disse...

ha controversias sempre,em um comentario simplista posso dizer, que a crise tem a cor e os traços que dependem de quem vê.

Paula disse...

Bem, vamos aguardar e ver o resultado. Pelo menos a mídia televisiva já não anda tanto massacrando o assunto, uma vez que os holofotes estão agora voltados para outra tragédia, a morte da garota sequestrada. E de tragédia em tragédia, vão buscando somente ibope.
Paula